Junta de Freguesia de Meãs do Campo

  • Aumentar o tamanho da fonte
  • Tamanho padrão da fonte
  • Diminuir tamanho da fonte
Home A Freguesia História

História

Enviar por E-mail Versão para impressão PDF

Meãs do Campo é uma freguesia portuguesa do concelho de Montemor-o-Velho, com 9,58 km² de área e 1 716 habitantes (2001). Densidade: 179,1 hab/km².
Até ao liberalismo constituía o reguengo de Meãs, na comarca de Coimbra. Foi integrado no concelho de Tentúgal em 1832.

A Freguesia de Meãs situa-se a cerca de 6 quilómetros da Sede do Concelho, tendo limites com as freguesias de Arazede, a norte, Tentúgal, a nascente e Carapinheira a Sul e Poente.
Meãs, segundo António dos Santos Conceição, "é um pedaço de paraíso, perdido num recanto da Natureza, onde tranquilamente repousa e onde, longe do ruído do Mundo, 1600 homens e mulheres continuam apegados à terra, numa labuta de oitocentos anos e que jamais terminará..."

A origem desta povoação remonta à fundação da nacionalidade Portuguesa, tomando o nome de "Póvoa", como se observa num treslado de 17 de Janeiro de 1698, concedido por EI-Rei D. Pedro aos "moradores do lugar de Meãs, que antigamente se chamava Póvoa...", e descrito no Tombo da Casa de Aveiro - Reguengo de Meãs.

Para se distinguir de outras povoações com o mesmo topónimo, tomou o nome de Meãs do Campo, apesar de, no seu "território administrativo", não possuir extensa área de campo, pois a vastidão de terrenos que surgem na sua frente, a sul, são parte integrante da freguesia da Carapinheira, embora sejam propriedade, quase na sua maioria, de agricultores da freguesia de Meãs.

Esta povoação foi terra importante, pois o Cadastro de 1527 dá-lhe 52 "vizinhos" a que correspondem cerca de 160 habitantes.

No século XVIII, o reguengo de Meãs tinha jurisdição de crime, com juiz ordinário e Jurisdição cível.
Em 1832 era sede de concelho que se extinguiu em 1840, indo engrossar o concelho de Tentúgal até 1853, altura em que, com a extinção deste, passa para a jurisdição concelhia de Montemor-o-Velho

Da leitura do Tombo da Casa de Aveiro - Reguengo de Meãs verifica-se que a 10 de Maio de 1709 nas "cazas de pouzada / Paços do Concelho do Reguengo", num auto de reconhecimento do tombo, estiveram presentes...", não se referenciando, contudo, se ali existia Pelourinho, Cadeia, presidente e administrador do concelho.

A 5 de Dezembro de 1709 efectuou-se a demarcação do Reguengo de Meãs e das terras da vila de Tentúgal e a 11 de Dezembro de 1710 demarcam-se os Reguengos de Meãs e Amieiro (Arazede).

Os limites com a Freguesia da Carapinheira foram autorgados a 18 de Maio de 1684, na presença de diversas individualidades: António de Sá e Azevedo "cavaleiro professor da Ordem de Cristo e juiz do Tombo da Caza de Aveiro..."; Manuel Lopes, procurador; Filipe da Fonseca Coutinho, procurador da Coroa Real; João Gonçalves Bicho e Luís Alves Tinoco da Carapinheira. Pelo decreto de 12.11.1875, Meãs pertence ao julgado de comarca de Tentúgal e pela legislação de 6.8.1896 faz parte do distrito de paz de Tentúgal.

O Decreto de 31.11 de 1836 confere-lhe a categoria de freguesia de 2ª classe. Ao longo dos tempos viveram nas Meãs ilustres vultos das artes, ciências, política, administração pública, economia, letras, filantropia, clero, etc. De destacar, no princípio do séc. XX - O Pintor Manuel Jardim.

De destacar também que aqui viveram na actual casa paroquial os avós paternos daquele que foi Presidente da República Portuguesa - Dr. Mário Soares - Primo de Eurico do Nascimento Lacerda Pires Soares que nasceu e foi Pároco de Meãs de 1917 até 1947 e de D. Maria da Circuncisão Lacerda Pires Soares, que deixaram à Paróquia todos os seus bens, com o rendimento dos quais se construiu a nova Igreja de Meãs também com a colaboração e partilha da população.

A maioria das populações de Meãs ocupa-se na agricultura, bastante modernizada, havendo também algum comércio e artesanato, enquanto outra parte labora nas cidades vizinhas de Coimbra e Figueira da Foz.

Na Freguesia de Meãs existe a Associação Desportiva Cultural e Recreativa de Meãs com actividades culturais, lúdicas e desportivas, donde sobressai o seu magnífico Grupo Etnográfico filiado na Federação do Folclore.

O Centro Social Paroquial constitui uma obra de vulto, iniciada e liderada pelo Dr. António Nogueira, prior das Meãs, com a inquestionável partilha da comunidade local, que dá apoio à população local, com valências de creche - Pré-Primária, A.T. L., Centro de Dia, Apoio Domiciliário e Lar.

Texto: Aldo Aveiro